Avançar para o conteúdo principal
10 Filmes Para Lembrar 2018


1 - "Call Me By Your Name" ("Chama-me Pelo Teu Nome"), de Luca Guadagnino


2 - "Suspiria", de Luca Guadagnino


3 - "Mudbound: As Lamas do Mississípi", de Dee Rees


4 - "Lady Bird", de Greta Gerwig


5 - "Tully", de Jason Reitman


6 - "BlackKklansman: O Infiltrado", de Spike Lee


7 - "Nunca Estiveste Aqui" ("You Were Never Really Here"), de Lynne Ramsay


8 - "Três Cartazes à Beira da Estrada" ("Three Billboards Outside Ebbing, Missouri"), de Martin McDonagh


9 - "O Sacrifício de um Cervo Sagrado" ("The Killing of a Sacred Deer"), de Yorgos Lanthimos


10 - "Sete Estranhos no El Royale" ("Bad Times at the El Royale"), de Drew Goddard

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Green Book: Um Guia Para a Vida"

A presidência de Donald Trump correspondeu a um violento sopro no castelo de cartas que é a sociedade americana, desencadeando uma multiplicidade de situações grotescas e chocantes que realçaram o estatuto do preconceito como uma ferida que ainda arde. Claro está, que os EUA não foram os únicos a embarcar numa odisseia regressiva (social, política ou moralmente falando) com um governante interessando em legitimar as piores tendências do ser humano, no entanto, apetece-nos dizer que nenhuma outra cinematografia mundial assumiu a necessidade de corporizar essa dor como a americana. De examinar o passado e entender de que forma continua a refletir o presente. Exemplo modelar disso mesmo é a mais recente longa-metragem de Peter Farrelly, “Green Book: Um Guia Para a Vida”. Um olhar melancólico e comovente sobre um episódio verídico apagado pelo tempo.

Estamos em 1962. Tony Vallelonga (Viggo Mortensen) é um italo-americano com poucas habilitações qu…
"À Porta da Eternidade"

Estamos no coração da temporada de prémios. Isto é, Hollywood quer prestar homenagem aos talentos que se reuniram para produzir o cinema que mais lhes agradou em 2018. Como tal, proliferam as biografias, quase sempre convencionais, desapaixonadas e vazias de conteúdo. No entanto, por vezes, existem surpresas. Pequenos acontecimentos que insistem em desafiar todos e quaisquer rótulos que lhes queiram impor. “À Porta da Eternidade” é um deles. Porquê? Pois bem, porque em vez de se limitar a colecionar os momentos mais emblemáticos da vida de Vincent van Gogh, Julian Schnabel propôs-se a mergulhar na mente do pintor e deixar-se contagiar pelos seus fantasmas.

O filme assume-.se, portanto, como um objeto limite, que parte da solidão primordial do protagonista para relançar a ideia romântica da arte como rutura de qualquer visão determinista ou moralista da experiência humana. Acima de tudo, Schnabel ambiciona e consegue colocar-nos no corpo permanentemente …
"Juliet, Nua", de Jesse Peretz

Quando uma comédia romântica funciona mesmo muito bem, dão-se dois acontecimentos intrinsecamente interligados. Primeiro, começamos a acreditar nas personagens em causa, e a reconhecermo-nos nelas. Segundo, os apontamentos humorísticos convencem-nos tão bem do ambiente de aparente ligeireza, que somos completamente surpreendidos, quando a narrativa nos confronta com temáticas sérias. Felizmente, “Juliet, Nua” constitui mesmo um desses pequenos milagres. Um olhar, simultaneamente, melancólico e hilariante sobre um trio de indivíduos, que tentam encontrar o melhor caminho possível para a felicidade, dentro das situações francamente complexas, que os “assombram”.


Resumindo de maneira necessariamente esquemática, esta é a história de Annie (a sempre confiável Rose Byrne), uma mulher de meia-idade, oriunda de uma pequena vila britânica, daquelas onde nunca nada parece acontecer, que namora com o intelectual Duncan (Chris O’Dowd), um professor na facul…