Avançar para o conteúdo principal
"O Cavalheiro com Arma", de David Lowery


Quem conhecer o cinema do americano David Lowery, certamente, reconhecerá nele um representante de uma certa corrente humanista que encontra as suas raízes no trabalho de autores como Terrence Malick ou Richard Linklater. No entanto, o texano possui uma outra paixão cinéfila: os westerns. Aqueles contos sanguinolentos de heróis incorruptiveis que lutavam contra as instituições que os oprimiam. Contudo, os seus filmes sempre foram mais contemplativos e menos contestatários, por exemplo, veja-se o comovente “História de um Fantasma”, olhar melancólico sobre a condição humana em tom fantasmático. Acontece que, tudo muda no estonteante “O Cavalheiro com Arma”. Um melodrama gentil, que reinventa Robert Redford como um charmoso e simpatiquíssimo cowboy contemporâneo, que rouba bancos, não por necessidade, mas por prazer.

Chamou-se Forrest Tucker (1920-2004), escapou 16 vezes de diferentes recintos prisionais e nunca perdeu a emoção que sentia quando roubava um banco. O processo que empregava tinha tanto de simples como rocambolesco: entrar no estabelecimento escolhido, elegantemente vestido e sempre acompanhado por dois itens vitais, um bigode falso e um chapéu, informar os responsáveis de que possui uma pistola (que nunca usou), pedir dinheiro suficiente para encher a sua pasta e sair de forma tão discreta e calma como entrou. Enfim, convenhamos, que contar a sua história nunca seria uma tarefa simples, no entanto, Lowery acompanha os acontecimentos com um humanismo silencioso e grácil, dotado de uma inteligência e ligeireza raras, que nos divertem e comovem, e Redford consegue mesmo pegar num homem de práticas criminosas, socialmente condenáveis e puníveis e torna-lo num bom malandro, com um charme ao qual não pudemos resistir.


Redford caminha pelos inevitavelmente curtos 93 minutos que compõem “O Cavalheiro com Arma” com uma graciosidade admirável, encerrando uma carreira de quase 60 anos com um filme alternadamente melancólico e hilariante sobre a arte de viver, que goza ainda de um dos melhores elencos que vimos agraciar os nossos ecrãs nos últimos tempos. Da encantadora Sissy Spacek, no papel da paciente Jewel, viúva por quem Tucker se sentirá atraído, ao sempre excelente Casey Affleck (o ator fetiche de Lowery), como um detetive afincado, bom marido e pai extremoso, que persegue Forrest Tucker. E que quanto mais se aproxima, mais vai simpatizando com o cavalheiresco fora-da-lei.

"O Cavalheiro com Arma" é um imenso adeus. 

Texto de Miguel Anjos

Título Original: “The Old Man and the Gun”
Realização: David Lowery
Argumento: David Lowery
Elenco: Robert RedfordCasey AffleckDanny GloverTika SumpterTom WaitsSissy Spacek
Ano de Produção: 2018
País: EUA
Duração: 93 minutos

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Green Book: Um Guia Para a Vida"

A presidência de Donald Trump correspondeu a um violento sopro no castelo de cartas que é a sociedade americana, desencadeando uma multiplicidade de situações grotescas e chocantes que realçaram o estatuto do preconceito como uma ferida que ainda arde. Claro está, que os EUA não foram os únicos a embarcar numa odisseia regressiva (social, política ou moralmente falando) com um governante interessando em legitimar as piores tendências do ser humano, no entanto, apetece-nos dizer que nenhuma outra cinematografia mundial assumiu a necessidade de corporizar essa dor como a americana. De examinar o passado e entender de que forma continua a refletir o presente. Exemplo modelar disso mesmo é a mais recente longa-metragem de Peter Farrelly, “Green Book: Um Guia Para a Vida”. Um olhar melancólico e comovente sobre um episódio verídico apagado pelo tempo.

Estamos em 1962. Tony Vallelonga (Viggo Mortensen) é um italo-americano com poucas habilitações qu…
"À Porta da Eternidade"

Estamos no coração da temporada de prémios. Isto é, Hollywood quer prestar homenagem aos talentos que se reuniram para produzir o cinema que mais lhes agradou em 2018. Como tal, proliferam as biografias, quase sempre convencionais, desapaixonadas e vazias de conteúdo. No entanto, por vezes, existem surpresas. Pequenos acontecimentos que insistem em desafiar todos e quaisquer rótulos que lhes queiram impor. “À Porta da Eternidade” é um deles. Porquê? Pois bem, porque em vez de se limitar a colecionar os momentos mais emblemáticos da vida de Vincent van Gogh, Julian Schnabel propôs-se a mergulhar na mente do pintor e deixar-se contagiar pelos seus fantasmas.

O filme assume-.se, portanto, como um objeto limite, que parte da solidão primordial do protagonista para relançar a ideia romântica da arte como rutura de qualquer visão determinista ou moralista da experiência humana. Acima de tudo, Schnabel ambiciona e consegue colocar-nos no corpo permanentemente …
"Juliet, Nua", de Jesse Peretz

Quando uma comédia romântica funciona mesmo muito bem, dão-se dois acontecimentos intrinsecamente interligados. Primeiro, começamos a acreditar nas personagens em causa, e a reconhecermo-nos nelas. Segundo, os apontamentos humorísticos convencem-nos tão bem do ambiente de aparente ligeireza, que somos completamente surpreendidos, quando a narrativa nos confronta com temáticas sérias. Felizmente, “Juliet, Nua” constitui mesmo um desses pequenos milagres. Um olhar, simultaneamente, melancólico e hilariante sobre um trio de indivíduos, que tentam encontrar o melhor caminho possível para a felicidade, dentro das situações francamente complexas, que os “assombram”.


Resumindo de maneira necessariamente esquemática, esta é a história de Annie (a sempre confiável Rose Byrne), uma mulher de meia-idade, oriunda de uma pequena vila britânica, daquelas onde nunca nada parece acontecer, que namora com o intelectual Duncan (Chris O’Dowd), um professor na facul…