Avançar para o conteúdo principal
"O Cavalheiro com Arma", de David Lowery


Quem conhecer o cinema do americano David Lowery, certamente, reconhecerá nele um representante de uma certa corrente humanista que encontra as suas raízes no trabalho de autores como Terrence Malick ou Richard Linklater. No entanto, o texano possui uma outra paixão cinéfila: os westerns. Aqueles contos sanguinolentos de heróis incorruptiveis que lutavam contra as instituições que os oprimiam. Contudo, os seus filmes sempre foram mais contemplativos e menos contestatários, por exemplo, veja-se o comovente “História de um Fantasma”, olhar melancólico sobre a condição humana em tom fantasmático. Acontece que, tudo muda no estonteante “O Cavalheiro com Arma”. Um melodrama gentil, que reinventa Robert Redford como um charmoso e simpatiquíssimo cowboy contemporâneo, que rouba bancos, não por necessidade, mas por prazer.

Chamou-se Forrest Tucker (1920-2004), escapou 16 vezes de diferentes recintos prisionais e nunca perdeu a emoção que sentia quando roubava um banco. O processo que empregava tinha tanto de simples como rocambolesco: entrar no estabelecimento escolhido, elegantemente vestido e sempre acompanhado por dois itens vitais, um bigode falso e um chapéu, informar os responsáveis de que possui uma pistola (que nunca usou), pedir dinheiro suficiente para encher a sua pasta e sair de forma tão discreta e calma como entrou. Enfim, convenhamos, que contar a sua história nunca seria uma tarefa simples, no entanto, Lowery acompanha os acontecimentos com um humanismo silencioso e grácil, dotado de uma inteligência e ligeireza raras, que nos divertem e comovem, e Redford consegue mesmo pegar num homem de práticas criminosas, socialmente condenáveis e puníveis e torna-lo num bom malandro, com um charme ao qual não pudemos resistir.


Redford caminha pelos inevitavelmente curtos 93 minutos que compõem “O Cavalheiro com Arma” com uma graciosidade admirável, encerrando uma carreira de quase 60 anos com um filme alternadamente melancólico e hilariante sobre a arte de viver, que goza ainda de um dos melhores elencos que vimos agraciar os nossos ecrãs nos últimos tempos. Da encantadora Sissy Spacek, no papel da paciente Jewel, viúva por quem Tucker se sentirá atraído, ao sempre excelente Casey Affleck (o ator fetiche de Lowery), como um detetive afincado, bom marido e pai extremoso, que persegue Forrest Tucker. E que quanto mais se aproxima, mais vai simpatizando com o cavalheiresco fora-da-lei.

"O Cavalheiro com Arma" é um imenso adeus. 

Texto de Miguel Anjos

Título Original: “The Old Man and the Gun”
Realização: David Lowery
Argumento: David Lowery
Elenco: Robert RedfordCasey AffleckDanny GloverTika SumpterTom WaitsSissy Spacek
Ano de Produção: 2018
País: EUA
Duração: 93 minutos

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Happy End", de Michael Haneke

O cinema espelha o mundo em seu torno. Como tal, será somente natural, que encaremos os filmes que vemos, e as tendências que os mesmos reflitam, enquanto evidências de preocupações contemporâneas, que exijam a nossa atenção. Olhando para 2018, existem três filmes que aparentemente não estariam imediatamente relacionados, mas acabam mesmo por funcionar como uma requintada e inquietante trilogia. Falamos de “O Sacrifício de um Cervo Sagrado” (Yorgos Lanthimos), “Hereditário” (Ari Aster), e “Happy End” (Michael Haneke). Os dois primeiros empregam ferramentas classicamente enraizadas nas mecânicas do cinema de terror (uma figura misteriosa, possuidora de poderes sobrenaturais, e uma maldição relacionada com um culto pagão, respetivamente), enquanto o terceiro opta pelo tom dramático extraordinariamente frio, que marca todos os trabalhos do seu autor, contudo, um olhar atento denota as desconcertantes semelhanças. Todos acompanham famílias burguesas…
"Um Pequeno Favor", de Paul Feig

Habituámo-nos a encarar Paul Feig unicamente como um encenador de simpáticas comédias em tom feminino. De “A Melhor Despedida de Solteira” a “Caça-Fantasmas”, passando por “Armadas e Perigosas” e “Spy”, a sua missão aparentava mesmo ser a de aniquilar o lugar comum, que definia o género como um território exclusivamente masculino. Os resultados sempre se pautaram por um certo nível de qualidade, e esse é mesmo um estupendo quarteto de deveras suculentos "nacos" de entretenimento escapista, mas, nenhum deles ia muito além disso. Ora, também, por esse motivo, é tão surpreendente vê-lo aos comandos de um exercício tão requintado e perverso como “Um Pequeno Favor”, crónica social, centrada nas infinitas ambiguidades do fator humano, que tem tanto de thriller psicológico como de desconstrução satírica.

Tudo se passa no interior do ecossistema parental de uma pequena vila. Stephanie Smothers (Anna Kendrick) é uma jovem e inocente viúva, que…
"Suspiria", de Luca Guadagnino

Aquando da passagem de “Suspiria” (2018) pelo Festival de Veneza, Luca Guadagnino autodescreveu-se como “a stalker of master filmmakers”, e aproveitou a ocasião para partilhar um caricato episódio da sua adolescência, que comprovaria esse mesmo título. Quando tinha apenas 14 anos, viu “Suspiria” (1977) em Palermo, e abandonou a projeção em estado de êxtase. Nos dias que se seguiram, falou incessantemente do filme em causa a todas as pessoas com quem se cruzava, até que um conhecido lhe segredou que o seu autor, Dario Argento, costumava almoçar num restaurante relativamente próximo. O resultado? Pois bem, Guadagnino, nem sequer dedicou uns meros segundos a pensar acerca do assunto, preferindo limitar-se a correr em direção ao estabelecimento, e encostar a sua face ao vidro, para contemplar o seu ídolo enquanto comia.
Porventura, parecerá anedótico (convenhamos, tem a sua piada), no entanto, a génese do pensamento do italiano como cineasta encerra-…